[ zamknij ]

Informacja o plikach cookies

Informujemy, że używamy informacji zapisanych za pomocą cookies i podobnych techniologii w następujących celach: reklamowych, statystycznych oraz w celu umożliwienia logowania się w serwisie.

Te technologie mogą też stosować współpracujące z nami firmy badawcze, partnerskie oraz dostawcy aplikacji multimedialnych. W Twojej przeglądarce możesz zmieniać ustawienia dotyczące cookies. Informujemy jednak, że jeżeli to zrobisz, nie będziesz mógł w pełni wykorzystywać funkcjonalności serwisu.

Korzystanie z naszego serwisu bez zmiany ustawień dotyczących plików cookies oznacza, że akceptujesz umieszczanie cookies na twoim urządzeniu.

Argentina em Pequim? "Só por milagre", diz Milinkovic

Aqui nós escrevemos o portugues somente

Argentina em Pequim? "Só por milagre", diz Milinkovic

Postprzez dreamer » 16 maja 2008, o 20:09

No site brasileiro planetavolei.com.br, eu li uma entrevista interessante com os grandes jogadores argentinos, Marcos Milinkovic. Ele triste nesta entrevista aproximadamente da possibilidade de Argentina na qualificação ao Bejing, e sobre a liga turca do voleibol.

dreamer


Argentina em Pequim? "Só por milagre", diz Milinkovic

Atualmente na Turquia, oposto argentino fala sobre seu momento, a realidade da seleção de seus país e agradece pelas felicidades em terras brasileiras. Um argentino com sangue croata e com espírito brasileiro. Assim pode ser definido Marcos Milinkovic, um homem do mundo no vôlei moderno.

Nascido em 22 de dezembro de 1971, ele só descobriu o esporte aos 17 anos. Apesar de início tardio no vôlei, ele se tornou um dos maiores nomes do país.

Com 2,03 m e 100 kg, o jogador após quatro temporadas na liga local, transferiu-se para a Itália. Em meados da década de 90, ele desembarcou no Brasil, defendendo Cocamar, Chapecó e Olympikus. Retornou para a principal competições de clubes do planeta, defendendo Treviso e Milão. Ainda voltou para o Brasil e jogou Superligas pelos rivais catarinenses Unisul e Cimed. Ainda passou pela Grécia e está atualmente na Turquia, onde defende o Istanbul Buyuksehir Belediye.

Aos 36 anos, ele coleciona títulos nacionais, europeus, pan-americanos. Também foi considerado o melhor jogador do Mundial de 2002, na Argentina, e da Olimpíada de Sydney, em 2000. Por e-mail, Milinkovic relembrou ao PLANETA VÔLEI alguns dos bons momentos da carreira, as passagens pelo Brasil, o momento do vôlei argentino e seus planos para o futuro.

1) Como está sendo a experiência de jogar na Turquia?
- A verdade é que me surpreendi muitíssimo pelo bom nível que tem a competição aqui. Creio que é um país que pode crescer demais no nível da organização, porque tem muitas condições econômicas, estruturais e esportivas.

2) Você já jogou em vários países. Qual gostou mais? Por quê?
- É difícil escolher um, pois tive sorte de jogar por grandes equipes, ganhar títulos e fazer muitas amizades no Brasil, na Itália, na Grécia. Nos três países eu me senti muito cômodo.

3) Gostaria de voltar a jogar no Brasil?
- Eu estou velho para voltar a jogar no Brasil (risos). Sempre é lindo voltar a este país que me recebe e me trata como se eu estivesse em casa.

4) Como analisa a seleção argentina atualmente?
- Está passando um momento muito semelhante ao vivido com a geração que começou a trabalhar depois do Mundial do Brasil (1990), que demorou quase cinco anos para se colocar entre os grandes do vôlei mundial. Lamentavelmente não voltou a fazer um bom trabalho na base, pensando que a geração passada seria eterna. Agora estamos sofrendo.

5) O que espera do Pré-Olímpico do Japão?
- Um milagre. Creio que nos restou o Pré-Olímpico mais difícil contra o rival europeu mais complicado:a Itália. Nossa grande chance foi no classificatório de janeiro (derrota para a Venezuela, comandada por Ricardo Navajas) e lá nós deixamos escapar a vaga.

6) Faz planos para jogar mais um, dois, três anos?
- Enquanto eu me diverta. Tenho vontade de seguir treinando até que o físico agüente. Eu gosto do que faço. Eu disfruto e vivo como se fosse um jovem.

7) Quer ser treinador ou dirigente depois que se aposentar?
- Me encantaria ser técnico um dia. Estou, aos poucos, realizando cursos e falando com muitos treinadores.

8) Acredita que Brasil seja favorito na Olimpíada de Pequim?
- Sem dúvida. O Brasil demonstrou nos últimos seis anos que está à frente de todas as outras seleções. E já sabendo que pode ser o final de uma grande geração de jogadores, que melhor maneira de terminar um ciclo do que sendo campeão olímpico novamente, não?

9) Qual é o melhor atacante do mundo? E o melhor levantador?
- É difícil escolher apenas um jogador. Poderia dizer Dante, Giba, Kazyiski, Soto. E entre os levantadores também é complicado... Ricardinho, Marcelinho, Grbic e Ball.

10) Muitos o apontam como o maior jogador argentino de todos os tempos...
- É uma grande honra ouvir isso. Mas creio que existiram grandes jogadores no vôlei argentino. O que me deixa orgulhoso é ter vestido tantas vezes a camisa da Argentina.

11) Qual foi a melhor seleção argentina da história?
- Tivemos várias grandes seleções: a que ganhou a medalha de bronze nas Olimpíada de Seul, em 1988; a que ganhou a medalha de ouro nos Jogos Pan-Americanos de Mar del Plata, em 95; a que obteve o quarto lugar na Olimpíada de Sydney, em 2000.

12) Deixe uma mensagem para seus fãs no Brasil.
- Muito obrigado mesmo por terem feito com que eu vivesse tantos momentos lindos e inesquecíveis, apesar da grande rivalidade que existe entre nossos países. Obrigado por terem me brindado com tanto carinho.

planetavolei.com.br
(03-Mai-2008}
...you may say I'm a dreamer, but I'm not the only one...
Avatar użytkownika
dreamer
 
Posty: 7280
Dołączył(a): 21 sie 2007, o 11:57
Lokalizacja: Poznań
Płeć: M


Powrót do Português

Kto przegląda forum

Użytkownicy przeglądający ten dział: Brak zidentyfikowanych użytkowników i 1 gość